Baiano conquista bicampeonato inédito no tênis

0

Em sonhos, o tenista baiano Natan Rodrigues, de 17 anos, admite alimentar a ideia de um dia se tornar número 1 do mundo. Este ano, jogou três Grand Slam para ganhar experiência e se preparar para encarar as futuras estrelas do ranking mundial.

De volta a Salvador, ele confirmou o favoritismo na 35ª Bahia Juniors Cup, em sua provável última participação no torneio disputado no Clube Bahiano de Tênis, na Barra. Sábado, 28, na final, superou o paraense Joaquim de Almeida por 2 sets a 1 (7/6 e 6/4).

Só mais um passo rumo ao objetivo principal de Natan, que, em 2020, pretende estar num estágio avançado no profissional. “Quero ir o mais longe possível no tênis. Se duvidar, ser top 10 do mundo. E depois, quem sabe, o número 1. Uma tarefa muito árdua, mas que é sempre o sonho de todo jogador de tênis”, suspira.

Atual número 109 do ranking mundial júnior, ele já foi top 40. Caminho de altos e baixos natural mesmo para quem é candidato a substituto de Guga, tricampeão de Roland Garros. O maior tenista do Brasil mantém hoje um projeto chamado Time Guga, do qual Natan faz parte. Entre outros nomes mais cotados, de acordo com a análise do tenista baiano, estão Mateus Alves, João Loureiro e Bruno Ferreira, todos integrantes do projeto capitaneado por Gustavo Kuerten.

Se você sonhar e trabalhar para isso, acreditar, pode chegar lá. Não é garantido, óbvio, mas a gente está com uma boa safra de jogadores”, considera. Os reveses dentro e fora de quadra que o fizeram descer posições reforçam a teoria dos técnicos para pautar-se na cautela em busca de seus objetivos. Assim, em vez de jogar apenas torneios de alto nível, como os abertos da Austrália, Wimbledon e US Open, em 2019, disputará competições regionais.

Na Juniors Cup, considerada uma das competições mais tradicionais do tênis juvenil brasileiro, ele conquistou pontos no ranking mundial da categoria. “Torneios de Grand Slam, óbvio, são a nata do tênis. Aqui é um outro tipo de pressão. Pessoas que cobram mais um pouco, amigos de infância, os pais. Indiretamente, eles pedem resultado”, pondera Rodrigues.

Já com o troféu assegurado, ele parte agora para a disputa do ATP Challenger de Campinas, no qual disputará pontos para o ranking profissional. Para ir à chave principal, terá de passar pelo qualifying, com jogos neste domingo, 29, e segunda-feira, 30.

Recuperado da apendicite

Erguer novamente o troféu de campeão em casa poderá ajudar Natan a ir alicerçando a carreira profissional, que nesta temporada foi marcada por altos e baixos. “Tive uma crise de apendicite e problemas no intestino. Este ano está sendo um pouco difícil, com problemas de saúde antes do Torneio de Roland Garros. Não venho com tantos resultados bons e não estou tão confiante assim. Fiz jogos bons até em Wimbledon, mas acho que meu jogo pode evoluir mais”, analisa o baiano.

Evitando dar uma passada maior que a perna, Natan espera crescer nas quadras e subir posições. Seu maior desafio este ano é voltar a jogar bem, pontuar e ganhar confiança. “No ano passado eu estava muito bem, com a confiança lá em cima. Se conseguir repetir isso, consequentemente aumentarei meu ranking para chegar ali no final do ano no top 40”, finaliza.

Por Aurélio Lima

SHARE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui