Delação da JBS: Bacelar pediu para comprar deputados e barrar impeachment | Tia Cândia

Delação da JBS: Bacelar pediu para comprar deputados e barrar impeachment

  • 19 de maio de 2017
  • Publicado por: Redação Tia Candia

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, afirmou em delação premiada à Procuradoria-Geral da República (PGR) que foi procurado pelo deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA) para comprar o apoio de deputados, em favor da ex-presidente Dilma Rousseff, na votação do impeachment na Câmara, ocorrida em 17 de abril do ano passado. Segundo o depoimento, prestado em 3 de maio, Bacelar apareceu na casa de Batista, um dia antes da votação, e pediu que o empresário pagasse a 30 deputados o valor de R$ 5 milhões, cada, para comprar o apoio deles e, assim, barrar o impeachment. “No sábado anterior ao impeachment, aparece na minha casa o João, de noite, dizendo que precisava muito falar comigo. Aí eu desci do quarto, cheguei na sala e o João tava lá, dizendo que tava apavorado: ‘Joesley, nós precisa comprar os deputados pra ganhar o impeachment. R$ 5 milhões cada um, trinta deputados e nós ganha o impeachment’.  Uma situação constrangedora”, contou. O empresário ainda relatou aos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) que não aceitou a proposta, mas se comprometeu a comprar cinco deputados e pagar R$ 3 milhões a cada um deles. Ele ainda disse que pediu uma lista dos parlamentares. “Eu disse: ‘quero ficar com a lista dos a serem comprados, pra depois eu ver na televisão se votou a favor’. Mas eu não lembro deles, porque eram deputados do baixo clero”, afirmou, ao dizer que não possui a listagem. O delator acrescentou que fez apenas um pagamento de R$ 3 milhões e ainda continua sendo cobrado por Bacelar, por causa de uma dívida de R$ 12 milhões. “Bacelar continua cobrando até hoje. Esses dias, paguei mais 500 mil. Desses 15 milhões, depois ele me abordou dizendo que ele ia receber 11 [milhões] e o Antônio Carlos [Rodrigues, ex-ministro dos Transportes] ia receber 4 [milhões]. Eu não dei os 4 pro Antônio Carlos. Não sei se eles iriam receber e passar para os outros deputados”, completou. Na colaboração, o proprietário da JBS relatou também que Bacelar, a pedido dele, intercedeu a favor do ex-ministro Guido Mantega na CPI do Carf. O parlamentar foi relator da comissão. “Eu tinha encontrado o encontrado o Guido, ele tinha falado que tava com medo da CPI do Carf, que iam aprontar com ele. Falei com o Antônio Carlos [segundo Joesley, ele e o ministro eram próximos]: ‘Você sabe alguma coisa sobre isso? Sei, o relator é do nosso partido, o João Bacelar’. Ele me apresentou ao Bacelar”, explicou. No encontro, Joesley disse que precisava de um favor, ao que o deputado baiano respondeu:  “Não, tudo bem. Você veja o que você quer”. “Um dia o João foi em São Paulo, eu botei o João pra falar com o Guido, ele deu um papel confidencial lá. Eu entendi que era para convoca-lo, mas não sei o que estava no processo. O João disse que ia cuidar”, continuou. Em janeiro deste ano, a Polícia Federal (PF) concluiu inquérito da Operação Zelotes sobre a suspeita de compra de decisão no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) pela empresa Cimento Penha e não indiciou o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. O inquérito foi remetido ao Ministério Público Federal.

Por Bruno Luiz